Banco de Problemas

A Patient Innovation está a trabalhar arduamente para encontrar as pessoas que tu podes ajudar.

Ainda estamos a receber pedidos de pacientes e por isso ainda serão adicionados mais problemas à lista.

Se tens dúvidas especificas em relação a estes problemas e queres que perguntemos ao paciente, contacta-nos!.

Problema A

A Luciana perdeu o braço num acidente há cerca de 50 anos. Tem dificuldade em utilizar próteses recorrentemente pois perdeu o braço praticamente abaixo do ombro - isto torna as próteses existentes no mercado pouco eficientes pois implicam uma articulação do cotovelo e mão seguras ao nível do ombro, resultando numa perda de amplitude de movimento. Procura uma prótese mais experimental capaz de se adaptar ao curto tamanho do seu coto, evitando retirar movimento e força ao mesmo.

Teria imenso interesse em utilizar uma prótese aquática que lhe permitisse nadar com maior eficácia e equilíbrio.

Problema B

A Ana Cláudia tem 28 anos e possui uma paralisia cerebral desde nascença. Apesar das dificuldades tirou uma licenciatura em Gestão e Recursos Humanos.

Por não ser capaz de escrever com as mãos experimentou, ainda com 6/7 anos um capacete para a ajudar a escrever, no entanto, não se adaptou a este devido ao seu peso, quantidade de tubos e parafusos e pelo facto de ser difícil de colocar.

De forma a facilitar a vida da Ana, o pai dela adaptou um capacete de obras (que ela ainda atualmente utiliza).

Trata-se de um capacete com ponteiro multi-funções - Indicado para pessoas com lesões graves, como por exemplo: tetraplégicos, paralisia cerebral ou deficiências que provocam muitos movimentos involuntários nos membros. O capacete permite usar um computador, pintar, desenhar, entre muitas outras funções.

Em baixo podem consultar as fotografias da solução atual, feita com miolo de um capacete das obras, cola quente, arame, material para forrar o capacete e um tubo de cola.



Problema C

A Isabel quer ajudar o Samuel, um rapaz com paralisia cerebral com envolvimento dos 4 membros. Com a ajuda de um dispositivo de apoio à alimentação, o Samuel é um rapaz completamente autónomo, mas o produto foi descontinuado e não é mais fabricado. O dispositivo é composto por um switch que tem dois pontos de toque: o primeiro toca e aciona o talher e o segundo toca e roda o prato. Para além disso, tem um acessório com uma bolinha na ponta que é acionado pela cabeça: para um lado roda o prato e para o outro aciona o talher. As soluções da Patient Innovation disponíveis nos links abaixo não satisfazem as necessidades do Samuel, mas são um bom ponto de partida. O Samuel conta contigo para voltar a ser autónomo de novo, bem como outros doentes com dificuldade na sua alimentação.


Links Relacionados:

https://patient-innovation.com/post/1780
https://patient-innovation.com/post/1120
https://patient-innovation.com/post/1537

Problema D

O Tiago tem 8 anos e nasceu sem a mão esquerda, devido a uma síndrome de brida amniótica que lhe amputou a mão ainda dentro da barriga da mãe, por isso precisa de uma prótese para que possa brincar ainda mais. O Tiago tem o pulso muito pequenino e por esta razão a sua nova mão terá que funcionar através do cotovelo. Por alguma razão, as próteses que experimentou não se tornaram definitivas. Desta forma, o Tiago está disposto a ir ter onde for preciso para tirar medidas e até para brincar contigo. Consegues ajudar o Tiago?



A mãe do Paulo encontra-se a mais de uma centena de quilómetros do filho o que leva a preocupações constantes com possíveis quedas, a possibilidade de um fogão ligado ou a troca de medicação entre muitos outros. Os seus 30 anos de experiência na Fundação AFID, que apoia família com pessoas com deficiência, o contacto diário com mais de 200 idosos juntamente com a experiência pessoal como cuidador informal da sua mãe fizeram-no pensar em soluções propostas (E a M) para melhorar o seu modo de vida e o modo de vida daqueles que estão ao seu cuidado.


Problema E

Em 2016, um relatório da OMS revelou que quase um milhão de portugueses com mais de 30 anos sofre de diabetes, doença que mata mais de 12 pessoas por dia em Portugal. Na associação onde o Paulo trabalha uma possível solução seria: um dispositivo que regista a medição dos diabetes, emitindo um alerta via SMS ou email para o cuidador quando o valor é elevado, pode ajudar a lidar com esta doença. A aplicação poderá interagir com o médico de família através do registo da Diabetes, à qual o médico pode ter acesso em print ou enviada por email pelo cuidador, através de um upgrade do equipamento já existente com medição e registo eletrónico, através de um sensor. Achas que consegues ajudar a melhorar a ideia e torna-la num produto funcional?

Problema F

Todos nós gostamos de conforto. Mas, com a idade, ou devido a uma condição de saúde, perdemos o controlo e às vezes mesmo a sensibilidade. Uma fralda cheia pode ser bastante desconfortável, tanto para o doente como para o que os que o rodeiam. Um sensor para colocar nas fraldas para medição da quantidade de urina nas mesmas e deteção da necessidade de mudança de fralda seria uma ótima ajuda tanto para os cuidadores como para quem usa a fralda. Como é que achas que conseguias implementar esta estratégia?

Problema G

O cuidado de idosos ou pessoas com deficiência muitas vezes implica a sua transferência da cama para uma cadeira. Esta pode não ser uma tarefa fácil para o cuidador pois o peso do doente em causa ou até mesmo a sua condição podem dificultar este transporte. A conceção de um Trix, dispositivo transferência de cama para cadeira adaptado para utilização em casas particulares facilitará o trabalho dos cuidadores e tornar esta tarefa mais confortável para o paciente.

Problema H

Hoje em dia são muitos os idosos que estão entregues a si mesmos e esquecimentos podem acontecer. Uma necessidade inerente prende-se com a criação de um dispositivo que controlasse a emissão de gás, de fácil instalação em casa de idosos, e que permitisse o corte após a retirada de tachos e panelas do fogão. Seria fundamental na prevenção de incêndios! Diz-nos como farias.

Problema I

Recentemente, a mãe do Paulo sofreu uma inundação em casa. Esta situação foi a gota de água e o Paulo percebeu a urgência de soluções para ele e para a mãe. Um dispositivo para controlo de corte de água, para aplicação em casa de idosos, com sensor de temporização, poderia ter salvo a mãe do Paulo deste acidente como poderá ajudar tantos outros idosos a manterem-se seguros em suas casas e escaparem a situações como estas.

Problema J

Quem nunca perdeu nada realmente importante, procurou, mas foi em vão? O Paulo já experienciou esta situação uma série de vezes e propõe a seguinte ideia: uma aplicação com o desenho da planta da casa, parametrizável por espaços, vários tipos de plantas e espaços detetores de sinal do produto perdido, que permite a localização via frequência rádio, podem melhorar bastante o nosso quotidiano. Os produtos têm um dispositivo eletrónico que emite um sinal no local onde se encontra para o recetor de sinais. O dispositivo tem uma configuração com o cuidador que permite lhe saber a que distância está do produto perdido, permitindo ajudar o familiar a localizar o produto que perdeu em casa.

Problema K

Em 2017, estudos revelaram que de mais de 45 mil idosos inquiridos, cerca de 28 mil vivem sozinhos. Acompanhar estas pessoas é uma necessidade e sensores de movimentação no espaço da residência, para utentes autónomos, podem melhorar a segurança destas pessoas através de um estudo dos seus hábitos de vida, sinalização de possíveis quedas e interação com dispositivos de segurança. Consegues ajudar o Paulo a tornar esta ideia num produto? O Paulo deixa-te mais algumas ideias que podiam ser integradas neste sistema: melhoria de sensores georreferenciação com controlo de acessos e saídas das respostas sociais para idosos, de modo a promover a circulação e o controlo de saídas; desenvolvimento de uma plataforma aberta, para junção dos diferentes tipos de sensores de apoio aos idosos, cuidadores informais (familiares, amigos e vizinhos) e cuidadores informais (instituições).